quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Roberto Requião, o senador que usa o cargo para fazer chacota

Roberto Requião aproveita seus últimos dias como senador para dar razão aos paranaenses, que impediram sua reeleição para o Senado ao colocá-lo em humilhante rabeira na eleição no Paraná. O quase ex-senador elaborou um projeto de lei que podia valer um processo por queda de decoro, caso ele já não estivesse de saída. A votação de Requião teve ares de plebiscito, decidindo por fim pela sua exclusão da vida pública, pelo menos de forma oficial, a menos que dentro de dois anos ele tente se eleger vereador em Curitiba. Mesmo isso não será fácil.

Nesta eleição de agora ele ficou em terceiro lugar, com apenas 15% dos votos válidos, bem atrás do segundo colocado que se elegeu com 23%. Seu candidato ao governo, o sobrinho João Arruda, também recebeu baixíssima votação. Teve 13% dos votos, ficando em terceiro numa eleição resolvida no primeiro turno. Foi como uma resposta à desfeita de Requião com os paranaenses, ao passar os oito anos de mandato apoiando Lula, Dilma Rousseff e o PT no Senado. Depois de passar todo esse tempo envergonhando seu estado, ele levou o troco dos eleitores.

O projeto de lei de Requião é na base da grosseria e da gozação, o mesmo comportamento dele em qualquer cargo que ocupa. A lei escrita em tom de piada, mas usando os jargões técnicos, propõe perdão judicial para quem for flagrado em crimes eleitorais, contra a administração pública e o sistema financeiro nacional. É uma clara provocação ao juiz Sergio Moro, que assumirá o Ministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro e abandona a Operação Lava Jato. Em entrevista coletiva, ao comentar o recebimento de caixa dois pelo deputado Onyx Lorenzoni, o juiz minimizou a situação. No projeto de lei, Requião sugere que a lei passe a se chamar “Lei Ônix Lorenzoni”.

No projeto, ele afirma que propõe a lei com a intenção de que a mesma forma do "perdão" de Moro se estenda a Paulo Guedes, futuro ministro da Fazenda e “a todos aqueles que cometem crime eleitoral ou contra a administração pública ou contra o sistema financeiro nacional”. O documento apresentado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado foi redigido por Requião todo em forma de piada. A comissão avaliará a constitucionalidade do projeto e está mais que claro que mandará essa baboseira para a gaveta. Porém, Requião vai aproveitar durante muito tempo este factóide para se gabar do que deve achar uma grande audácia. Para ele não importa de forma alguma que na verdade cometeu um grave desrespeito a uma função que, independente do azar de estar sendo ocupada por ele, é de grande responsabilidade, com um caráter institucional dos mais nobres.

Mas quem é que pode colocar juízo na cabeça de Requião? Os paranaenses conhecem de perto seus maus bofes. Já esteve duas vezes à frente do governo estadual, onde chegou beneficiado pelo desmonte político sofrido pelo país, que no Paraná é muito mais grave e já faz mais tempo que acontece. O resultado é que de vez ocorre a eleição de figuras grosseiras como ele, favorecidos pelo desgaste dos outros. No poder estadual, Requião já ofendeu professores universitários, xingou manifestantes e jornalistas, vivia agredindo as pessoas e chateando o próximo com piadas cretinas e invasivas. Por isso, em pelo menos duas ocasiões chegou a tomar uns tapas de gente que se incomodou. E nesta eleição os paranaenses resolveram dar um basta à chateação.

Requião já estava, como se diz, aprontando o terno para a posse, até que os paranaenses lhe deram um exemplar chega-pra-lá, pelo qual o daqui a pouco ex-senador chorou as pitangas de um jeito que fez amolecer até o coração da também quase ex-senadora Gleisi Hoffmann. Ela nem tentou se reeleger para o cargo. É comovente ver um vídeo em que Gleisi diz que na luta para prejudicar Requião os adversários chegaram até a ressaltar sua ligação com o PT. Sim, ela disse isso. Não é fake news. No Paraná o PT é tão rejeitado que faz até a presidente do partido cometer uma gafe dessas. Mas a partir de janeiro Requião terá um longo tempo para se dedicar a seus parceiros. Totalmente desocupado e com residência em Curitiba, não custa nada ele passar todos os dias por perto do prédio onde Lula está cumprindo pena, para saudar pelo megafone seu amigo, por mais um dia de cadeia do criminoso mais famoso do país.
.........................

POR José Pires

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Bolsonaro, o presidente-aprendiz

É muito preocupante e eu arriscaria até em dizer que é desesperador ter na Presidência da República um homem que precisa ser alertado sobre a importância da relação comercial do Brasil com a China, que hoje em dia favorece nosso país em US$ 20,167 bilhões, o que dá 30,1% do superávit total brasileiro de US$ 67 bilhões. Se alguém acha que é um exagero desesperar-se, lembro que estamos falando de um político com quase 30 anos de mandato de deputado federal. Nem com muito otimismo alguém pode acreditar em um aprimoramento dele agora, depois de eleito presidente. Nesta situação, fanatismo não vale.

Está aí uma informação que não precisa vir de um “Posto Ipiranga”. O assunto não exige especialização. Para não falar besteira, bastaria saber ler e ter acompanhado o noticiário nos últimos anos, mas o presidente eleito Jair Bolsonaro não parece ter intimidade com o estudo nem com leituras básicas. Não quero trazer ainda mais preocupações, mas já tivemos um presidente que também não tinha paciência para documentos, relatórios, essas atividades trabalhosas da administração pública. E não é preciso dizer que isso não deu em boa coisa, não só para o Brasil como também para ele, que acabou no xilindró.

Governo curioso, o de Bolsonaro. Nem começou e já terá que dar uns passos para trás, uma regressão criada exclusivamente pela afoiteza verbal do presidente nesses dias da véspera da posse. É até engraçado, pois foi só por falar demais que ele será obrigado a recuos políticos humilhantes ou arcar com prejuízos econômicos que resultarão internamente em perda séria de credibilidade. Não cabe apostas. Bolsonaro voltará atrás no caso da China. O governo chinês não gostou das críticas do presidente eleito e avisou do modo deles: pela imprensa, que na China não é motivo de queixas dos políticos, como Bolsonaro costuma fazer por aqui. Por lá, a comunicação é toda estatal. Editorial do “China Daily” apontou que a vantagem do Brasil na balança comercial não dá motivo para queixas políticas.

Se tiver juízo, Bolsonaro deve voltar atrás também em outro assunto no qual entrou apenas para dar uma, digamos, lacrada política, para a qual nosso país também não tem tanto cacife assim. É a anunciada mudança da embaixada brasileira para Jerusalém. É difícil entender qual é o interesse brasileiro neste aceno político para a radical direita israelense, mas os pontos negativos já começam a aparecer. Logo que ele veio com essa destrambelhada ideia eu falei sobre a encrenca desnecessária que isso traria para o país. Representantes de países árabes já estão avisando que essa decisão pode afetar as relações comerciais com o Brasil. Segundo a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira existe o risco de interrupção de do crescimento do volume de vendas, com projeção de US$ 20 bilhões em 2022. No ano passado, as exportações brasileiras para o conjunto dos países árabes somaram US$ 13,6 bilhões.

Creio que alguém devia avisar Bolsonaro que ele já está eleito. Passou a fase dos memes, capitão. O momento é de se aferrar aos estudos, ao aprofundamento das propostas. É hora de preparar a viabilização prática das ideias e projetos, para em menos de dois meses encarar a mesa do presidente da República, tão atulhada de problemas que com certeza não há necessidade alguma de procurar encrencas novas.
.........................

POR José Pires

segunda-feira, 29 de outubro de 2018


A Folha de S. Paulo e suas mensagens furadas e sem provas

A Folha de S. Paulo publicou editorial neste domingo de eleição para presidente afirmando que “não está em guerra com Bolsonaro, ou qualquer candidato”. No texto, o jornal trata Bolsonaro como presidente eleito e reclama da falta da apresentação de propostas em sua campanha. A Folha reclama também de ataques de Bolsonaro ao jornal, acusado por ele de ser “o maior fake news do Brasil”, na fala em que o político ainda fez a lamentável ameaça de cortar verbas publicitárias do jornal.

Bem, não vou me estender aqui sobre minhas expectativas quando a um governo Bolsonaro no aspecto da democracia. Do ponto de vista pessoal, creio que Bolsonaro é capaz de se deixar levar com a maior satisfação por um impulso autoritário da sociedade brasileira ou de grupos políticos. Cabe às instituições e aos brasileiros impedir que se criem essas condições para um retrocesso, o que começa evidentemente em respeitá-lo como presidente eleito.

Mas vale apontar uma causa muito mais forte dessa rusga entre Bolsonaro e a Folha, que tem menos a ver com a liberdade de expressão do que com a atitude da maior gravidade do jornal, ao publicar a matéria sobre disseminação de fakes news contra o candidato petista Fernando Haddad. A matéria acusava empresários ligados ao candidato do PSL de investir milhões de reais para espalhar mensagens que beneficiariam Bolsonaro. No entanto, a denúncia jornalística tornou-se suspeita porque carecia de provas, sempre indispensável na imprensa, mas ainda mais em um assunto que poderia prejudicar uma candidatura em pleno período eleitoral.

O candidato do PT aproveitou a matéria para acusar Bolsonaro de crime eleitoral e pedir sua cassação, além de ter também falado em entrevistas na necessidade de pedir a prisão de empresários. Apoiada pela propaganda da campanha, a militância petista usou o tema. fazendo o conhecido furdunço na internet. Para uso político, a matéria da Folha teve cronometragem perfeita. Publicada 10 dias antes do dia da decisão do segundo turno, permitiu que a campanha de Haddad aproveitasse a denúncia inclusive para criar fatos novos, com interpelações oficiais do PT junto ao TSE e a entrada em cena de personalidades expressando sua indignação em debates e entrevistas, procurando atrair a simpatia do eleitorado para o candidato petista e ampliar suas alianças.

Quem é do ramo ficou à espera de verdadeiras provas no dia seguinte à publicação da matéria, mas até hoje a Folha não trouxe nada de novo respaldando a denúncia que mereceu manchete de lado a lado na primeira página. Pela sua suspeita parcialidade, esta matéria contra Bolsonaro merece ser colocada na história do jornal em paralelo à outra, trazendo um tema que era também do interesse do PT. Saiu publicada poucos dias antes do final do segundo mandato de Lula. Também recebeu destaque em manchete de capa. Na matéria, o jornal garantia que saindo da presidência, o chefão petista poderia escolher entre dois cargos internacionais importantes para dar continuidade à sua carreira. Os cargos seriam o de presidente do Banco Mundial ou de secretário-geral da ONU. Partindo apenas de meras especulações, a Folha afirmava que “para articular seu futuro” bastaria ao chefão do PT fazer um “mamãe-mandou-bater-neste-daqui”, escolhendo se iria para o Banco Mundial ou a ONU. Como se sabe, atualmente Lula está na prisão.
.........................
POR José Pires

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Bolsonaro com medo de terrorismo e a língua defeituosa da política

Apareceu mais uma justificativa para Jair Bolsonaro não comparecer ao debate da Rede Globo. Segundo o general da reserva Augusto Heleno, existe uma ameaça do candidato ser alvo de um “atentado terrorista”. E quem repassou a informação foi o vice general Hamilton Mourão, em seu Twitter. Eu até me impressionaria com o alarmismo da campanha de Bolsonaro se não soubesse que tudo não passa de jogada eleitoral. A alegação de fraude nas urnas e agora essa “ameaça terrorista”, tudo é para reforçar a empatia pelo candidato e estimular o empenho de seus seguidores neste final de campanha.

O general Heleno diz que a ausência de Bolsonaro não é "pelo medo" de debater com Fernando Haddad. Bem, ninguém havia perguntado, mas eu não tenho dúvida nenhuma que debates no segundo turno com Haddad terminariam mal para Bolsonaro. E não é só pelo fato do candidato do PSL ser péssimo para se expressar, se enrolando com os questionamentos mais simples, além de ter pavio curtíssimo, o que permite boas provocações para um adversário.

O candidato do PT também é bem preparado para debater com qualquer um. Haddad enrola bem. Poucos políticos têm sua capacidade de expressão, além de que ele sabe mentir como ninguém. Sei que não faz nada bem para o fanatismo bolsonarista, mas a verdade é que se não tivesse uma boa desculpa para escapar de debates e sabatinas neste segundo turno, a eleição ficaria muito difícil para Bolsonaro, mesmo com toda a carga negativa do antipetismo contra seu adversário.

Na minha visão, o ferimento à faca preservou Bolsonaro de questionamentos e da discussão frente a frente com adversários. Todos os candidatos sofreram desgaste, enquanto ele fazia campanha da cama do hospital e depois em casa. Mas tudo bem, não existe regra legal que exija o comparecimento a debates nem a obrigação de dar entrevistas para jornalistas que estão fora do controle do candidato. E todos já haviam aceitado a justificativa médica para a negativa em participar de debates. O brasileiro tornou-se um conhecedor dos incômodos da colostomia. Mas agora vem essa novidade da ameaça de “atentado terrorista”. Isso não parece cuidado com segurança. Dá mais a impressão de sugestão de marqueteiro, depois da equipe de campanha estudar com atenção os percentuais da opinião dos eleitores sobre políticos que fogem de debates.

Mas ficou até engraçado uma candidatura barra-pesada e cercada de milicos, com dois generais reformados fazendo um anúncio público, avisando que o candidato não vai a um debate porque está com medo de atentado terrorista. A situação é ainda mais grotescamente cômica porque esse cuidado vem exatamente de um candidato que tem como bandeira de campanha a proposta de liberar armas para a população, porque segundo ele o cidadão comum pode muito bem cuidar de sua própria segurança com uma arma de fogo na mão. Bolsonaro não podia levar um cabo e um soldado armados? E a própria arma, claro.

Mas a coisa é ainda mais engraçada porque em seu Twitter o general Mourão veio reforçar a fama de analfabetismo funcional dos políticos brasileiros. Já tivemos o “evangélio”, em vez de evangelho, de Manuela D’Ávila, depois veio o “posso”, no lugar de poço, do filho de Bolsonaro. Pois agora temos o verbo “traz” grafado como “trás”. Veja na imagem do Twitter de Mourão. E este sujeito além de ser general da reserva tem uma boa chance de ser o próximo vice-presidente do Brasil. Caso isso ocorra, tomara que não maltratem a democracia como fazem com a língua portuguesa.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

O esporro de Mano Brown e outras tretas do PT

Já rola pela internet um vídeo com uma fala do cantor de rap Mano Brown em um evento da candidatura do candidato petista Fernando Haddad, que sentado no palco junto à sua mulher e companheiros ouve uma violenta espinafrada, com uma avaliação da campanha que prevê uma “queda no precipício”. Segundo Mano Brown, o PT sofre um problema sério de comunicação. Dentro do que dá para interpretar da sua língua de gueto, aparentemente ele está falando de uma dificuldade de comunicação que vai além desse momento eleitoral.

O vídeo já vem sendo compartilhado com referências a outro esporro recente feito em evento do PT, quando Cid Gomes disse a famosa frase “O Lula tá preso, babaca!”. Só faltou Mano Brown repetir o jargão do irmão do Ciro Gomes, mas o cantor disse outras coisas, inclusive tocando na impressionante divisão entre os brasileiros. No entanto, é provável que ele esteja mais incomodado com a conseqüência da candidatura de Bolsonaro e não na origem dessa divisão, que vem do projeto petista de poder que apostou exatamente nesta divisão e levou um truco dos brasileiros.

É interessante observar nos entremeios da própria linguagem de Mano Brown os anseios e as necessidades de um personagem do drama político, que como não podia deixar de acontecer, contamina a própria avaliação do quadro eleitoral e da imagem petista. Como todo indivíduo encerrado num universo cultural muito fechado é com bases muito simples que o cantor de rap traça o diagnóstico negativo da popularidade do PT, certamente projetando para sua solução um caminho que siga no âmbito da cultura representada por gente como ele e apoiada por seus fãs. Fechado nas suas limitadas circunstâncias, ele não se apercebe que embora exista mesmo a dificuldade da penetração do pensamento petista nas periferias dos grandes centros urbanos, a razão do problema é a oposta ao que ele pensa.

É por ter se apoiado culturalmente em gente como Mano Brown que o PT se afastou dos jovens trabalhadores dos bairros das grandes e médias cidades, espezinhados em seu cotidiano pelo clima espalhado pelo que representa o cantor de rap. Pichação, drogas, confrontação com a polícia, apologia da bandidagem e da falta de lei e regras, ódio de classes, desrespeito pela experiência humana e pelos mais velhos, intimidação diária e outras coisas mais, pois tem muito mais nesta cultura da intimidação, que se exerce no cotidiano, repito, com a cara feia dos grupos na esquina, na confrontação nas escolas, na intimidação e no roubo de coisas bacanas compradas a muito custo pelo jovem que estuda e trabalha. A imagem petista está ligada a este clima intranqüilo, um caldo cultural de estímulo à desinteligência e à desarmonia, com a violência estampada na própria linguagem e cara feia, que se intromete desequilibrando a vida familiar, dificultando o convívio entre pais e filhos, desunindo irmãos, destruindo amizades, influenciando negativamente nos deveres do estudo e do trabalho, com sérias complicações para famílias mais pobres e da classe média.

Só gente como Mano Brown não percebeu que é daí que vem em grande parte o fenômeno político que beneficiou Jair Bolsonaro e deve prosperar no estímulo ao conservadorismo na sociedade brasileira, independente da vontade do candidato direitista. A origem está na cultura política do PT, com o peso exercido pelo partido do Lula na cultura brasileira, no aparelhamento de instituições e na carga de ressentimento e de divisão entre as pessoas, num processo esquerdista que já vem de um legado histórico de desapreço pela democracia, de uma esquerda que nos 13 anos em que ficou no poder governou apenas no interesse de um projeto partidário, que no final mostra-se incompetente até no seu próprio propósito.
.........................
POR José Pires


___________________

Imagem: Mano Brown posa com colegas e o candidato Fernando Haddad; a cara feia faz parte
do modelito, mas a realidade política de fato não está fácil. Quase como uma metalinguagem,
a foto foi feita por Ricardo Stuckert, fotógrafo oficial do chefão do PT, preso por corrupção
passiva e lavagem de dinheiro.

Fernando Haddad e a acusação de torturador ao general Mourão

Comentei no texto abaixo sobre a desatenção que está ocorrendo na campanha de Fernando Haddad. Pois na tarde desta terça-feira apareceu outra demonstração de grave descuido, quando o candidato Fernando Haddad acusou de ser torturador o general Hamilton Mourão, candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL). Haddad fez a acusação duas vezes em sabatina dos jornais "O Globo", "Valor Econômico", "Extra" e da revista "Época", tendo dito a mesma coisa antes de entrar para a sabatina. Como todos já devem estar sabendo, é claro que a acusação é falsa, pela simples razão de que Mourão tinha apenas 16 anos em 1969, ano em que teria ocorrido a tortura, conforme o relato do cantor Geraldo Azevedo em um show na Bahia no último fim de semana. Azevedo já divulgou nota se desculpando pelo “equívoco”.

O erro do candidato do PT é estranho porque não resiste a uma simples conta de matemática, além de que espera-se que uma acusação grave seja devidamente conferida antes de ser feita, com o uso inclusive da tal continha, que pode ser feita de cabeça. Haddad chegou com esta informação na sabatina. Não é uma fala de improviso. Sendo verdadeira, seria uma bomba. Por isso é muito estranho que isso não tenha sido checado ou que pelo menos ele fizesse a conta simples.

Uma pessoa de mais de 50 anos que tenha bom senso não comete o erro de comprometer alguém pessoalmente por alguma ação durante a ditadura militar. Haddad tem 55 anos. Bastaria que ele apelasse para a lembrança da própria experiência pessoal. E uma questão de cronologia muito simples para um professor da USP. Mas se houver problema de memória, tem a conta simples que começa com os 33 anos de distância do final da ditadura para cá, acrescentado-se os 18 necessários para alguém começar a servir o exército. Jair Bolsonaro, por exemplo, diz que ajudou na caçada a Carlos Lamarca no vale do Ribeira. Bem, só podia fazer isso como moleque dedo-duro, pois era muito novo nquela época.

A falsa acusação feita por Haddad pegou muito mal. O candidato produz informação falsa exatamente na hora em que a campanha petista procura vitimizá-lo como vítima de ataque das chamadas “fake news”. O petista mandou ver uma fake news ao vivo. Ainda não se desculpou e é provável que não o faça. Lançou a culpa do "equívoco"sobre o cantor. É isso que dá ficar envolvido demais no papel moralmente superior que inventaram como propaganda política para tentar virar esta eleição, que eles pretendem estabelecer como um plebiscito entre promotores de um ditadura política e eles, sempre lutando do lado do bem.

É uma fraude risível. Neste enredo, o PT é apenas vítima de forças destruidoras da democracia movidas por uma conspiração contra tudo de bom que foi feito pelo PT no passado. Foi para debaixo do tapete o instinto quadrilheiro que em quatro governos destruiu nossa economia e envolveu o Brasil no maior roubo aos cofres públicos de sua história. Pelo jeito forçaram na motivação para esta lorota redentora que exige encenação de bravura. Apontaram então como torturador alguém com a idade errada.
.........................
POR José Pires

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Fernando Haddad e a Bíblia desaparecida

Uma das histórias mais patéticas desta eleição indecente é esta complicação de Fernando Haddad com uma Bíblia recebida por ele em um palanque no Ceará, que depois apareceu nas mãos de uma pessoa em um vídeo da internet com a acusação de que ele jogou fora o livro. O episódio grotesco serve para demonstrar o grau inacreditável de amadorismo do PT, que deveria estar mais precavido, até pela experiência do próprio partido em armar sujeiras para o adversário. Qualquer um que faça com o PT apenas metade das maldades do que esse partido já fez para os outros já estará sendo bastante cruel. O partido do Lula carrega muito golpe traiçoeiro na sua folha corrida, como a absurda criação do falso dossiê contra José Serra, quando o tucano disputou e ganhou a eleição para o governo de São Paulo, contra o petista Aluizio Mercadante. O documento acusaria Serra de ter relações com a chamada “máfia dos sanguessugas”, esquema corrupto que vendeu ambulâncias superfaturadas para o governo.

O escândalo aconteceu durante o governo Lula e ficou conhecido como “Dossiê dos aloprados” porque para se safar, como de costume Lula inventou uma lorota. Tachou de “aloprados” os petistas que negociavam o documento falso criado para favorecer o candidato do PT. A fraude foi em setembro de 2006 e teve a apreensão pela polícia de 1,7 milhão de reais em espécie. Ninguém reivindicou a propriedade da dinheirama, que foi para a União. Em abril de 2017 o ex-executivo da Odebrecht, Luiz Eduardo da Rocha Soares, revelou em delação premiada que o dinheiro era da Itaipava e Odebrecht. Então, quem acredita que tem alguma superioridade moral quando defende Haddad de ataques da campanha de Bolsonaro, lembre-se do dossiê dos aloprados. Existem outras falcatruas petistas em eleições, mas agora voltemos ao incrível enrosco do candidato petista com o exemplar da Bíblia.

Haddad recebeu a Bíblia no Ceará e logo após ela apareceu nas mãos de uma pessoa que o acusa de ter jogado fora o livro. O vídeo já está bombando, com trechos editados em vários outros materiais de ataque ao petista, naquele tom direitista de colocar o adversário contra a religião cristã. Cabe lembrar que esse assunto apareceu depois do próprio Haddad dar aquela mancada de ir comungar em uma missa e ainda levar a tiracolo sua vice comunista Manuela D’Ávila. E antes que alguém venha com bobagens, claro que sou contra esse tipo de ataque político, mas acontece que isso existe. Então que se cuidem. O que não pode é brigar com a realidade. Haddad teria de ter tomado o máximo cuidado com assunto de religião, mas em vez disso inventou uma missa para efeito eleitoral, trazendo exatamente o mote que os seguidores de Bolsonaro precisavam para apontar um suposto ateísmo.

Essa história da Bíblia também é resultado de uma falta de organização e cuidado da campanha petista. Não é só porque o adversário é um militar, mas caberia ter um serviço de inteligência bem ativo, não acham? Era óbvio que tentariam trazer de volta o assunto de religião, que rende que é uma beleza para o adversário do PT. A Bíblia, que aliás é de capa vermelha, foi presenteada a Haddad por um militante de seu partido. A ideia inoportuna, porque o candidato já estava sob ataque depois da ida à missa, lembra até o ditado da corda em casa de enforcado. Mas vá lá que não tenha sido possível para a equipe evitar o retorno deste assunto que já estava claro que traz dificuldade para a campanha. Ora, então que cuidassem do exemplar da Bíblia. Haddad afirma que furtaram o livro no próprio palanque logo que ele o passou para alguém. E no mesmo dia apareceu o vídeo com a acusação de que a Bíblia foi jogada fora. Pode ser que tenha sido mesmo uma armação. Mas não há nenhuma dúvida de que ocorreu um descuido feio na campanha petista, onde parece haver uma despreocupação até ingênua com o que os inimigos podem fazer.
.........................
POR José Pires

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Veja, Folha de S. Paulo e seus assinantes bolsonaristas e petistas

Bolsonaristas em polvorosa afirmam que vão cancelar assinaturas da Veja e da Folha de S. Paulo. Bem, para cancelar a assinatura de uma publicação, antes é imprescindível tê-la. E pelo nível de informação desse pessoal mais enlouquecido com esta eleição eu duvido que eles leiam qualquer coisa regularmente. Não vale meme, viu? E quando falo sobre esta absoluta falta de base até nas questões mais básicas da nossas história recente, coloco no mesmo balaio a ignorância de petistas e bolsonaristas.

O chefão de um dos lados seria capaz de dizer que não servem nem para procriar, o outro chefão xingaria de fascistas. Para ambos, é claro que a ignorância é só no lado adversário. E eu tenho que dizer que salvam-se muitos, já que deixei claro que a ignorância toma conta é dos "enlouquecidos". Por exemplo, o petista ou o bolsonarista que me lê neste momento são de uma admirável inteligência. Volte sempre, obrigado.

Mas sobre o cancelamento de assinaturas da Veja e da Folha, faz tempo que ouço essa conversa, que costuma vir em ondas esparsas, conforme certas matérias ou capas, mas num movimento persistente, de modo que é espantoso que a Veja e a Folha ainda estejam sendo publicadas. Antes os petistas, agora os bolsonaristas, o número de cancelamentos deve chegar a muitos milhares. Que sufoco. Deve ter um terceiro setor do pensamento brasileiro que mantém essas publicações.
.........................
POR José Pires

A estrela do clã Bolsonaro

Quando esteve pelejando para encontrar seu vice, Jair Bolsonaro chegou a cogitar de ter um príncipe como parceiro, ideia que acabou não vingando. Mas se vê que o candidato do PSL já tem um príncipe em casa. É o deputado Eduardo Bolsonaro, um dos filhos que pegando a rabeira da popularidade do pai fazem muito sucesso na carreira política. O deputado eleito por São Paulo foi um dos políticos que tiveram uma grande votação nesta eleição, ele ainda mais porque durante a campanha de primeiro turno era presença preferencial ao lado do paizão. Nepotismo é um dos grandes defeitos de Bolsonaro e o interessante é que este assunto não apareceu em entrevistas nem nos poucos debates que enfrentou. E depois das facadas que recebeu em Juiz de Fora, o candidato livrou-se de qualquer questionamento.

O príncipe de Bolsonaro deu trabalho ao pai nesta semana com a estúpida afirmação de que basta “um cabo e um soldado” para fechar o STF. É o tipo de declaração que poderia causar um sério estrago nesta altura da eleição, caso Bolsonaro tivesse outro adversário e não Fernando Haddad e seu partido, do qual nem se pode dizer que tem história: é folha corrida. O PT acabou sendo um meio que adultera o efeito de qualquer mensagem, sempre em favor do adversário. Isso vem facilitando abafar a fala de Eduardo Bolsonaro, que começou com um forte puxão de orelha dado pelo próprio candidato, dizendo que “se alguém falou em fechar o STF precisa consultar o psiquiatra”. Mas a melhor espinafrada foi do vice Hamilton Mourão, que praticamente chamou o deputado de moleque. Ele disse que a fala foi um “arroubo juvenil”. O moleque do Bolsonaro já está com 34 anos.

A fala do deputado boquirroto está em um vídeo de um mês atrás, desencavado por adversários. Mas o processo político é assim mesmo. O estrago só não é grande para Bolsonaro porque a disputa é com o PT. Além disso, se ataques estivessem funcionando bastaria dar uma passadinha no Twitter do deputado para colher muita munição. A página de Eduardo Bolsonaro é um amontoado de sandices, sendo ele próprio um notório arrumador de encrencas. Antes de Bolsonaro tornar-se um presidenciável de peso ficou famosa a fotografia do visor de seu celular, com o pai dando um esporro no filho em uma mensagem de WhatsApp. Eduardo estava em viagem para Miami exatamente no dia em que o pai se candidatava à presidência da Câmara. Só teve o próprio voto. Recentemente apareceram denúncias também do uso de verba da Câmara para viagens de recreio de Eduardo.

O filho do presidenciável é o deputado mais votado na história do país, com 1,75 milhão de votos, mas é quase tudo voto despejado pelo fenômeno eleitoral encarnado em seu pai, de modo que a enormidade de votos não vem de um mérito político próprio. O destaque de Eduardo se deu mais em razão do estilo parecido com o do pai. Segue a mesma linha de ataques moralistas ao PT e às polícias de minorias. Não tem habilidade como articulador e tampouco liderança entre os parlamentares. Ao contrário, sendo um estourado, caso Bolsonaro se eleja presidente outras encrencas políticas podem surgir a depender da personalidade do filho. Só para ter uma ideia de sua idiotice, naquele episódio da cusparada de Jean Wyllys em Bolsonaro, no mesmo vídeo aparece Eduardo correndo e também cuspindo no deputado do Psol.

Se for presidente da República, Bolsonaro terá de resolver esta questão familiar, até pelo fato da bancada de seu partido não ser de fácil manejo. Jornalistas e articulistas andam exaltando demais a quantidade de votos dessa bancada bolsonarista sem sobrepesar na avaliação a baixa qualidade política e moral dos eleitos. Escutem o que digo: nesta bancada, entre o toma-lá-dá-cá pode sobrar até uns tabefes. Isso deve influenciar bastante na imagem do provável governo Bolsonaro, afetando o trânsito político no parlamento federal e entre a sociedade.

Claro que o filho falastrão de Bolsonaro pode ter um papel especial nessa imagem negativa, não só aqui como no exterior. É no estrangeiro, aliás, que um provável governo Bolsonaro terá de empreender um esforço sério de relações públicas. A coisa está feia e o menino de ouro não ajuda. Ele já faz sucesso no exterior, como mostro na imagem desse post. A matéria é do jornal espanhol El Mundo, que publicou um perfil de Eduardo Bolsonaro, no qual traz uma amostra de seu pensamento grosseiro, lembrando inclusive problemas com uma ex-mulher. Falam também do espantoso crescimento do jovem deputado. Na reportagem, Jair Bolsonaro é identificado como político de extrema direita.

Como se costuma dizer, o filho do presidenciável fica mal na foto. Péssimo mesmo. E cabe dizer que El Mundo não é nem um pouco de esquerda. O texto é todo embasado em fatos, com um apanhado aquela porcariada da família Bolsonaro que tomamos conhecimento o tempo todo aqui no Brasil. Na matéria, o arranjo político familiar entre o político eleito e seu pai, provável presidente do Brasil, faz do nosso país um lugar igual a essas pitorescas republiquetas latino-americanas da literatura fantástica. Para bolsonaristas se arrepiarem, é algo como uma Nicarágua de direita. Isso não é nada bom politicamente nem comercialmente, ainda que um ou outro bolsonarista assanhado pelo clima eleitoral ache que a preocupação não é válida. Está aí uma questão problemática que já deve bater nos primeiros dias na mesa de Bolsonaro, caso ele suba a rampa do Palácio do planalto.

domingo, 21 de outubro de 2018


Antipetismo e Bolsonaro, nascidos um para o outro

Embora tenha usado durante muito tempo a propaganda e a desinformação, parece que o PT não pegou muito bem uma máxima indiscutível da comunicação política que afirma que o efeito da mensagem se dá mais pela percepção emocional do que pela lógica do conteúdo. Os petistas estão tendo disso um conhecimento prático muito interessante, numa situação até engraçada. Pegando aquela descoberta de Marshal Mcluhan, de que “o meio é a mensagem”, pode-se ver que neste segundo turno o partido esquerdista vem funcionando como um meio que adultera qualquer mensagem, sempre em benefício de Bolsonaro.

Torturador, homofóbico, racista, misógino, antidemocrático, até fascista, não importa: o meio usado para difundir os ataques é o partido que enfiou o Brasil num buraco de fundura até agora inesgotável. Todo ataque petista ao candidato do PSL estimula no eleitor a compreensão (falsa ou genuína, não importa; com a percepção alheia não se brinca) de que ele é o homem certo para combater um mal, gerado pelo próprio PT. O meio é a mensagem, repito. Quanto mais forte a cacetada petista, maior identificação do eleitor. O sucesso de Jair Bolsonaro, caros — ou melhor, caríssimos — companheiros, nasce dessa simples percepção e não de uma conspiração de direita, de cunho fascista, como vocês vivem falando, plano que constaria de um retrocesso político depois de alcançado o poder.

Bem, a regressão a uma ditadura infelizmente não está fora de cogitação num país abalado moralmente e arruinado em sua economia, como acontece atualmente com o Brasil. No entanto, esta regressão não está na dependência da vontade de Bolsonaro ou de qualquer outro político. A bem da verdade, colocando aqui uma opinião minha, Bolsonaro se bastaria em ser um sub-Sarney, mas nada impede que ele seja influenciado pela ilusão de que pode conduzir um poder autocrático em um projeto revestido da falsa ideia de redenção nacional. Mas até aqui, ele segue a onda, como vinha fazendo nesses quase trinta anos de carreira. Ocorre que a fragilidade da democracia brasileira se deve ao mau estado das instituições, precariedade de lideranças, educação de péssima qualidade, da corrupção e até da falta de dinheiro, que vem impondo aos brasileiros uma vida cada vez mais miserável e violenta, da qual evidentemente não pode nascer coisa boa.

Nesta lista da tragédia institucional brasileira creio que se tiver vergonha na cara até um esquerdista poderia reconhecer a responsabilidade do ciclo de governos do PT, partido que pode até não ser o autor exclusivo desta realidade dramática, mas é responsável pelo brutal agravamento da maioria dos problemas e também pela sistematização de alguns deles, como a corrupção, para qual o partido do Lula deu até um status ideológico. Mas o efeito negativo para o PT independe do ponto de vista esquerdista. Vibra no ar uma consciência coletiva de parte decisiva dos brasileiros, na maior parte motivados a votar em Bolsonaro apenas pela circunstância e não por serem pessoas do mal. Nesta consciência está a forte rejeição, que criou um voto de protesto ao partido que deu origem à sérias complicações que não exige conhecimento sócio-econômico para compreender.

Eu sei que o materialismo histórico marxista é um vício, porém aplicado em ações com objetivo de prazo muito curto, como é o caso de um segundo turno, esse vício pode virar um veneno que anula qualquer mensagem, por mais inteligente e até justo que seja seu conteúdo. A percepção óbvia do eleitor brasileiro é de que é preciso encontrar um caminho para que o Brasil possa ao menos levantar e sacudir a poeira, reação sem a qual nem dá para começar a pensar no que fazer para o futuro. Só os petistas não vêem que nesta percepção está muito claro que o PT só cabe como  uma opção desastrosa. Pode-se chamar isso de “antipetismo”, mas na verdade a repulsa política é nada mais nada menos que a atuação plena do instinto de sobrevivência de quem tem o bom senso de lembrar como foi a entrada do Brasil nesta pirambeira econômica, com tamanho desgaste moral e político.

Portanto, petista batendo no adversário tem o efeito já bastante conhecido do jargão do padeiro fazendo o mesmo literalmente com a mão na massa, que como todos sabem, tende a crescer. Não vou tratar aqui da forma que o PT teria de usar para resolver esta complicação. Não existe pulo do gato em política. É um trabalho de longo prazo, que no caso do PT teria de incluir atitudes decisivas que exigiriam a confrontação com simbologias essenciais do partido, além, é claro, de encarar negócios e alianças escusas que deixaram os petistas com o rabo preso aqui e no exterior.
.........................

POR José Pires

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

A Folha de S. Paulo e as pautas do PT

Entramos nesta sexta-feira à espera de que a edição de hoje da Folha de S. Paulo trouxesse provas da denúncia sobre compra ilegal de pacotes de WhatsApp em apoio a Jair Bolsonaro apresentada ontem em reportagem com manchete de capa. Mas o assunto continua do mesmo jeito. A matéria da Folha é muito grave para ser aceita do jeito que está, sem absolutamente nenhuma prova. Do mesmo modo, a ação do PT junto ao TSE é ainda mais grave. Baseado apenas na reportagem do jornal, segue o método irresponsável do partido do Lula. O desrespeito institucional é o de sempre, mesmo numa situação que expõe de forma negativa o Brasil mundialmente. Mas aí também é algo comum, na rotina das ações do PT para acabar com a imagem brasileira no exterior. Depois de ser flagrado na roubalheira, do segundo mandato de Dilma para cá o PT reagiu acionando seus cupinchas no exterior para fazerem protestos e reportagens, oferecendo ao mundo uma visão do Brasil como uma republiqueta latino-americana das mais vagabundas.

No caso desta denúncia da Folha, a partir de uma reportagem até aqui sem provas, Haddad já deu entrevistas pedindo a anulação da eleição, exige a cassação da candidatura Bolsonaro e quer que chamem o terceiro colocado, Ciro Gomes. Ele sabe que é um exagero, porque não existe forma legal de atender à sua vontade. Mesmo se for verdadeira a ilegalidade relatada pela Folha, existem trâmites obrigatórios da ação judicial no TSE, cujo andamento não segue o ritmo acelerado exigido pela pauta eleitoral do PT. Especialistas acreditam que leve pelo menos um ano até o julgamento.

Haddad sabe muito bem disso, assim como toda sua equipe e os dirigentes de seu partido. Na verdade, os petistas estão novamente usando o Judiciário para pautar a opinião pública. Fizeram isso durante todo o processo de impeachment de Dilma Roussef e depois deram continuidade durante as encrencas de Lula com variados crimes. Fizeram chicana até no STF, além de plantarem notícias absurdas, inclusive no exterior. E agora, neste curto período até a eleição, apelam de forma irresponsável para o mesmo recurso, que serve inclusive para pautar o programa petista no horário eleitoral. A jogada é toda estudada. A campanha poderia simplesmente fazer uma acusação a Bolsonaro. Porém, o efeito não seria tão impactante como agora, quando o partido pode usar vasto material jornalístico para “fundamentar” a propaganda eleitoral.

O plano parece perfeito. O PT age como pauteiro da sociedade brasileira e beneficiário dessas pautas. Não foram os petistas que inventaram isso. A técnica é antiga. Foi muito usada no Brasil pelo Partido Comunista Brasileiro, o antigo “Partidão”, em manobras que persistiram inclusive durante a ditadura militar. Antes disso, a pauta era da União Soviética, em plena revolução comunista nos anos 30 e 40 do século vinte, quando o Kremlin agia para dominar a política e a cultura na Europa por meio de artistas e escritores, lançando seus braços inclusive para os Estados Unidos. Mas eu disse que o plano apenas “parece perfeito”. Pode dar chabu, como se observa na realidade brasileira recente, que vou resumir em um fato: Lula fez a mesma coisa e está preso.

O papel tomado pelo PT como pauteiro da sociedade brasileira engloba inclusive o nosso futuro político. Já estão procurando montar um quadro social num provável governo de Jair Bolsonaro, de antemão estabelecendo pautas que garantam ao partido a hegemonia da oposição. O PT quer tudo para si: no poder ou na oposição. O objetivo evidentemente é tornar um inferno o próximo governo, armando o regresso ao poder em 2022 ou até mesmo antes. Os petistas querem que o próximo ano comece sob a ameaça de mais um impeachment. Não importa aos companheiros de Lula a condição em que já está o nosso país, próximo da inviabilidade como nação se não forem resolvidos questões graves que, por sinal, vieram dos governos petistas. O compromisso do PT não é com o Brasil. O país é um mero objeto de pautas do projeto de poder do partido.
.........................
POR José Pires

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

O Psol na defesa da democracia

O Psol entrou nesta quinta-feira com pedido no TSE para suspender o funcionamento do WhatsApp ou restringir funções do aplicativo até o fim desta eleição. Segundo o partido, a medida serviria para coibir a disseminação de notícias falsas.

É isso mesmo que você leu. Não é fake news. Para combater a disseminação de notícias falsas o partido esquerdista encontrou a genial solução de fechar o Whatsapp até que todos votem. Não posso dizer que esta é a ideia mais idiota da esquerda porque esse pessoal costuma se superar. Mas temos com certeza uma das piadas prontas mais perfeitas: para defender o eleitor dos inimigos da democracia o Psol quer calar todos os eleitores.
.........................
POR José Pires

O PT com a mão na Constituição dos outros

O PT é conhecido por roubar obras dos outros, fazendo isso até com criações boicotadas por seus dirigentes e atacadas com ferocidade por seus militantes. Foi assim com o Bolsa Família e também com o Plano Real. Pois nesta quinta-feira os larápios passaram a mão em outra obra que se dependesse deles não existiria. Desta vez foi com a Constituição Brasileira que exerceram sua notória hipocrisia, em evento eleitoral promovido na tentativa de fazer deslanchar a candidatura empacada de Fernando Haddad.

Em evento com apoiadores da área do Direito, Haddad levantou para o alto um exemplar da Constituição Brasileira. E fez isso sem fazer nenhuma mea culpa. Toda vez que um petista se apoiar na Constituição, que fazem sempre exclusivamente em interesse próprio, é preciso lembrar que se dependesse do partido do Lula o Brasil não teria sequer terminado de redigir sua Constituição em 1988. Na época os petistas estavam na oposição e faziam política no estilo furibundo do “quanto pior, melhor”. Estavam ainda mais firmes   no seu projeto de muitos direitos e nenhum dever.

Durante os trabalhos da Constituinte, com uma bancada nanica de apenas 16 deputados o PT fez barulho demais. Apelou para intimidações, insuflou trabalhadores contra parlamentares de outros partidos, usou sindicatos e imprensa para atacar a reputação de políticos que buscavam o consenso. Muito tempo depois, no aniversário de 25 anos de promulgação da Carta, com o PT ainda no poder, Lula comentou a atitude de seu partido, afirmando que se os projetos apresentados pelo PT durante a Constituinte fossem aprovados o Brasil seria “certamente ingovernável”.

Na época, os petistas jogavam pesado, com a irresponsabilidade costumeira, sem nenhuma preocupação com a estabilidade política do país. O processo de democratização ainda estava no começo. Os militares haviam saído do poder apenas três anos antes. Derrotada nas suas tentativas de emplacar propostas radicais, a bancada petista — da qual Lula fazia parte como deputado — ameaçou não assinar a Constituição, como posso comprovar na imagem com o recorte do Jornal do Brasil, dos meus arquivos implacáveis.

A teimosia petista perdurou até o prazo final. O partido do Lula votou contra o projeto do relator, mas a contragosto acabou assinando a Carta. Se dependesse deles, vale repetir as palavras do chefão do PT, “o país seria certamente ingovernável”. A verdade histórica é que se petista tivesse vergonha não botava a mão na nossa Constituição.
.........................
POR José Pires

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

A combativa vida de ativista de rede social

As redes sociais são ótimas para levantar a auto-estima. Em que outro lugar você pode ser antifascista sem ter que enfrentar na mão um grupo de fascistas? Sai pra lá, seu fascista! Vai encarar? Mais que isso, não existe nenhum outro lugar onde seja possível se solidarizar com miseráveis de todo tipo sem ter que conviver com nenhum deles, ouvir diretamente suas queixas e nem pisar nos lugares onde eles padecem. É muito prático ser um São Francisco digital. E bem mais limpo.

É o milagre dos perfis combativos, que multiplica sua valentia por mil, abre seu coração para toda a humanidade, torna você um ativista com um toque de mouse. Eu já vi de tudo passar pela minha frente. Sou do tempo dos "guarani-kaiowá" Não sei alguém ainda lembra, mas já foi uma tribo que tomava as redes sociais. Parece que foram extintos. Ainda vejo de vez em quando alguns desgarrados por aí.

Ultimamente tem aparecido muita coisa surpreendente, mas me parece que o imbatível é o "Se fere minha existência, eu serei resistência". Tenho orgulho dessa gente. E inveja pelo dinheirão que eles devem economizar de analista com uma frase dessas no perfil. Pessoal porreta. E evidentemente do bem.

Agora com a ferrenha luta desse segundo turno, muita coisa interessante vem aparecendo. Frases, logotipos, estou de olho em tudo. É a sociologia das frases feitas e dos logotipos bravateiros. Tem os que valem por uma tese. Mas alguns são uma interrogação. Nesta semana topei com uns perfis com a frase "Antipetistas contra Bolsonaro". Estou até agora tentando descobrir o objetivo desses abnegados. Será que vão votar na Marina neste segundo turno?
.........................
POR José Pires

Levy Fidelix, do aerotrem a homem de ideias de Bolsonaro

Levy Fidelix, esse mesmo, o candidato do aerotrem com quem a Luciana Genro gostava de debater, apareceu com uma ideia estonteante na área da segurança. Fidelix, que é dono do partido do vice de Jair Bolsonaro, já disputou uma porção de cargos e nem dessa vez conseguiu se eleger para deputado federal, mesmo com o fenômeno Bolsonaro levando vários salafrários na rabeira para a Câmara — teve apenas 23.113 votos.

Mesmo sem boa votação, Fidelix continua uma usina de idéias. Sua proposta é a utilização de navios-presídio para evitar fugas. Que sacada, não? E vem mais dessas por aí. Em entrevista ao jornal O Globo ele disse que “partido coligado não vem para se coligar à toa, vem para somar ideias”. E falou que já está discutindo algumas ideias com o candidato.

Está aí algo que ninguém pensava: Levy Fidelix como uma das cabeças-pensantes de um provável governo Bolsonaro. Bem, tem por aí algumas pessoas com medo de um retrocesso político com a vitória dele. Até o momento não existem elementos sólidos para esse temor, mas uma coisa pelo menos é garantida se ocorrer um desastre do tipo. A ditadura do Bolsonaro vai ser muito mais engraçada que a ditadura militar de 64.
.........................

POR José Pires

Cid Gomes brilha no programa de Bolsonaro

O programa eleitoral de Jair Bolsonaro usou a gravação na qual Cid Gomes faz a autocrítica do PT, bem no estilo das repreensões nos velhos partidos comunistas quando ainda existia a União Soviética. Sim, crianças, antigamente a esquerda sentava alguém frente a um tribunal improvisado dirigido pela chefia do partido e fazia a autocrítica do infeliz. E sorte do militante se o partido estivesse num país com uma democracia burguesa, senão o militante seria fuzilado.

Mas eu dizia que o programa do Bolsonaro usou o vídeo em que o irmão do Ciro Gomes diz a frase "O Lula está preso, babacas!" que deve marcar essa eleição. E usou muito bem. O programa do candidato do PSL vem sendo produzido de uma forma eficiente, sem perder de vista que são dois os candidatos num segundo turno. Sei que o foco é muito óbvio, mas é que o PT vem descuidando disso. Haddad tem feito um programa que gira em torno do umbigo petista. E o pior é que querem convencer o eleitor de que é um belo umbigo.

Mas não vamos perder tempo com problema de foco de um partido que na véspera de uma eleição fundamental na sua existência ficou colado exclusivamente nos problemas criminais do Lula. O fato é que Bolsonaro usou o vídeo de Cid Gomes gritando para a militância petista que o PT vai perder a eleição. De imediato, o próprio Cid entrou com ação pedindo para o TSE proibir a exibição dele falando verdades sobre a arrogância petista.

E é claro que com isso criou um fato novo. Mas não acho que o irmão do Ciro estivesse querendo dar uma esquentada no assunto. Não vou levantar aqui uma teoria conspiratória, como se o objetivo desse pedido fosse para prejudicar ainda mais os “babacas” do PT. Na minha opinião, Cid Gomes pediu a suspensão do uso do vídeo no programa do Bolsonaro pelo mesmo motivo daquele destrambelho na casa dos outros, que parece ser uma questão genética da família Gomes: ele é abilolado. Só o PT levou tanto tempo para tomar consciência disso. E foi em péssima hora.
.........................
POR José Pires


___________________
Imagem: Sem teorias da conspiração, torcedores dos dois lados, mas a foto é do dia em que, como
ministro de Dilma, Cid Gomes foi à Câmara se explicar e xingou ainda mais os deputados, piorando
a crise com o Congresso e acelerando o processo de impeachment.

Foto de Gustavo Lima - Câmara